Vereadora relata falta de energia elétrica nas comunidades rurais

A vereadora Professora Jacqueline (Podemos), fez um desabafo contra o serviço prestado pela empresa Amazonas Energia devido as constantes quedas de energia na zona rural e a total falta de fornecimento em bairros da zona Norte. O pronunciamento aconteceu na manhã desta sexta-feira (26/3), durante a audiência pública híbrida promovida pela 19ª Comissão de Defesa do Consumidor (COMDEC) na Câmara Municipal de Manaus (CMM).

A parlamentar relatou as dificuldades de moradores das comunidades Rei Davi I e II, Urucaia, Parque dos Buritis, localizados nas Zona Norte de Manaus. “Os moradores do Parque dos Buritis, no bairro João Paulo II estão totalmente sem energia elétrica. No caso da comunidade ‘Sol Nascente’ foi preciso o Ministério Público ordenar o fornecimento por se tratar de uma área indígena”, disse.

Produção Rural

Em tom de desabafo, Jacqueline citou os prejuízos enfrentados pelos produtores rurais da ZF-4 e ZF-5 por conta da falta de energia. “Produtores rurais estão tendo que custear a própria energia, porque constantemente perdem suas produções de açaí, cupuaçu goiaba. Perdem seus peixes por falta de oxigenação. Quem tem granja, perde suas galinhas por falta de funcionamento das máquinas de ração e ao invés de investirem em projetos de crescimento de seus empreendimentos, como psicultura ou horta, precisam gastar o pouco do lucro que têm para garantirem energia elétrica”, concluiu

Educação Rural

A Professora Jacqueline comentou sobre a situação da Escola Municipal Zilda Iracema Melgueiro Nunes, situada no KM 67 da BR-174. “Já foi solicitado transformador da Escola Zilda Iracema mas nunca chegou. Além da dificuldade do acesso, as aulas são prejudicadas por tanta falta de energia”.

Escuridão

As demandas individuais causadas pela precariedade no fornecimento também foram citadas pela vereadora. Como no Ramal Água Branca I, localizado no KM 32 da AM-010. “A comunidade vive uma total invisibilidade, praticamente no tempo das trevas com tantas quedas de energia que duram horas. As pessoas reservam o final de semana para descansar, mas acabam vivendo um pesadelo. E se queimar algum eletrodoméstico, a burocracia para ressarcimento é absurda que a pessoa desiste dos seus direitos por tantas exigências da concessionária”, desabafou.

Considerações finais

Em suas considerações finais, a parlamentar declarou respeito ao Radyr Oliveira, vice-presidente da Amazonas Energia pela cordialidade no atendimento às demandas apresentadas e pediu mais compromisso da direção e maior facilidade no diálogo com a sociedade. “Declaro meu respeito ao conhecimento técnico do vice-presidente Radyr Oliveira, profissional que domina as informações gerais, tanto na zona rural como em todo estado e, reconheço que ele, atual gestão, tem recebido os problemas historicamente acumulados. Mesmo assim, peço aos proprietários da empresa que sigam na luz da verdade e firmem um real compromisso com a sociedade”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *