Planifica SUS: projeto avança em municípios do Baixo Amazonas

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) deu início às novas etapas do projeto PlanificaSUS, do Ministério da Saúde (SUS), nos municípios do Baixo Amazonas, com a realização de workshops, oficinas tutoriais e visitas técnicas às unidades da Atenção Primária em Saúde (APS). O projeto, que se encontra na fase 2, está acompanhando as atividades da etapa 2 em Nhamundá e Barreirinha, e da etapa 5, em Boa Vista do Ramos, Maués e Parintins.

O PlanificaSUS é desenvolvido pelo Ministério da Saúde (MS), em parceria com o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) e com o Hospital Israelita Albert Einstein (Hiae). A Planificação da Atenção à Saúde (PAS), metodologia utilizada para operacionalização do projeto, tem como objetivo apoiar o corpo técnico-gerencial das secretarias estaduais e municipais de saúde, na organização dos processos de trabalho da atenção básica e da especializada.

De acordo com a chefe do Departamento de Atenção Básica e Ações Estratégicas (Dabe), da SES-AM, Viviana Almeida, o projeto é realizado em todo o país, e no Amazonas ocorre na região do Baixo Amazonas. O intuito é expandir as atividades para outras regiões de saúde do estado, a partir da experiência desta região. A ação, que ocorreu de segunda a quinta-feira (09 a 12/05), incluiu a visita técnica aos municípios do Baixo Amazonas.

“O projeto é muito bom. Ele é uma ferramenta muito importante que auxilia a equipe a enxergar os desafios a serem vencidos, a melhorar o processo de trabalho, a instrumentalizar a equipe para que tenha uma padronização no atendimento, buscando qualidade, a melhor assistência possível para a população”, disse.

As visitas e o acompanhamento técnico nos municípios têm como objetivos: avaliação dos indicadores, estudos de caso, planos de cuidado, mapeamento e execução de atividades de educação permanente. As equipes envolvidas são compostas por especialistas, consultores e analistas do Hiae; tutores estaduais e municipais do PlanificaSUS; coordenadores e referências técnicas municipais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *